A Netflix pretende lançar uma 2ª temporada para Sweet Tooth? Descubra isso e muitas outras curiosidades.

Nos últimos anos, a Netflix tem traduzido muitas obras para o seu formato de séries. Recentemente, a HQ Sweet Tooth, de Jeff Lemire, foi a escolhida da vez. Com o envolvimento direto de nomes condecorados da indústria cinematográfica e televisiva, como o próprio Tony Stark… opa, quer dizer, o próprio Robert Downey Jr., a nova série da plataforma traz uma aventura fantástica e pós apocalíptica para toda a família.

Em uma premissa para lá de criativa, Sweet Tooth tem o poder de conquistar qualquer um em apenas alguns instantes de cenas. Seja por seus trailers ou por seu episódio piloto. O seriado acertou em trazer as principais essências da HQ homônima da DC Comics, ao mesmo tempo em que trouxe novos elementos em uma abordagem mais family friendly.

E não podemos deixar de fora o fato de que a história dialoga muito mais com o público atualmente. Visto que podemos nos considerar em uma realidade distópica, assim como na trama apresentada, que também foi causada por uma pandemia. Mas, por enquanto, seguimos nossa vidas sem humanos-animais híbridos [risos de preocupação].

Nisso, tenha você assistido ou não a temporada de estreia, venha com o Sanatório Geek e descubra muito mais sobre as origens e processos de produção deste projeto. Além de, principalmente, ficar por dentro de tudo que sabemos sobre a 2ª temporada de Sweet Tooth.

Por dentro de Sweet Tooth, o novo sucesso da Netflix

Por dentro de Sweet Tooth, o novo sucesso da Netflix
Reprodução: Netflix/DC Comics

Com apenas um fim de semana e uns dias a mais dentro do catálogo da plataforma, Sweet Tooth tem se mostrado um grande concorrente ao título de “melhor série do ano”, dentro e fora do streaming vermelho. E não somos só nós do Sanatório que dizemos isso, pois boa parte da internet tem se mostrado a favor de mais continuações para essa encantadora história.

Essa produção que teve início dentro do Hulu – onde o seu piloto veio à vida – e acabou indo parar nas mãos da Netflix, foi rejeitada diversas vezes antes de receber a chance que tanto merecia. Para confirmar estas afirmações e comemorar o sucesso imediato do seriado, Jeremy Platt, um produtor e amigo do showrunner Jim Mickle, fez um tweet comparando um e-mail de rejeição de 4 anos atrás com a ascensão de Sweet Tooth ao 1º lugar no ranking semanal do serviço. Confiram:

How it started How it’s going #SweetTooth pic.twitter.com/L8gXJZRlX6

— Jeremy Platt (@JeremyPlattform) June 6, 2021

Baseada nas HQs de mesmo nome publicadas pela DC Comics em seu falecido selo adulto “Vertigo”, a série que foi carregada em grande parte pela Team Downey, também não havia tido uma boa primeira impressão por eles. Susan Downey, co-criadora da produtora, revelou em entrevista com a BBC que, no início, riu pelo fato de que “as pessoas queriam fazer algo com isso”.

Já em uma conversa com o site CBR, a produtora executiva de Sweet Tooth deu continuidade para essa história de encontro com o material base. Vejam:

Susan Downey

“Era mais ou menos o final de 15, início de 2016. Nós lemos; foi algo que um dos executivos me trouxe. Naquela época, era uma história em quadrinhos da Vertigo.  Não tinha sido completamente absorvido e apenas DC. E eu me lembro de ver a capa e ficar tipo, ‘Que diabos?’. Quero dizer, há um garotinho com chifres e orelhas peludas e uma bela e arrasadora camisa de flanela. E assim, o que é isso?  E comecei a ler.”

“Jeff Lemire escreveu, ilustrou e fez um trabalho incrível.”

Lemire, o autor e ilustrador das 40 edições de Sweet Tooth (2009-2013), esteve envolvido em peso nesta adaptação. Sendo óbvia a importância de trazer a mente por trás dos conceitos originais, o trabalho de Jeff como supervisor de boa parte dos processos de produção, acabou gerando bons resultados, evidenciados por duas entrevistas recentes.

Por dentro de Sweet Tooth, o novo sucesso da Netflix
Reprodução: Netflix/DC Comics

Na primeira delas, o showrunner Jim Mickle, revela ao BBC como se deu a sua relação com Jeff, nos estágios iniciais do projeto. Já na segunda, Lemire abre o jogo sobre entregar a sua criação para Mickle e outros, para que a transformassem em algo novo. Confiram:

Jim Mickle

“Sou um grande fã de Jeff e nada teria sido pior do que ele assistindo à série e dizendo, ‘Eu não entendo’.”

“Por isso, o colocamos em conversas muito cedo e com frequência. Ele foi uma das primeiras pessoas a ver o piloto e, ao longo dos anos, conquistamos uma confiança e respeito mútuos reais.”

+ Mês do Orgulho LGBTQIA+| Séries para assistir durante a comemoração de junho

Jeff Lemire

“Mas para ser honesto, eu tive conversas com Jim Mickel, o showrunner, desde um estágio bem inicial. Quando ele estava pensando em adaptar, tivemos longas conversas. Você pode obter uma boa leitura das pessoas rapidamente, e eu meio que sabia que Jim era uma alma gêmea nisso. Muitos dos temas que o interessam, as histórias que gosta de contar e apenas ele como ser humano, ele parecia a pessoa certa. Qualquer preocupações que eu tinha acabaram sumindo rapidamente.

E para mim, qualquer adaptação vai acabar sendo diferente. Obviamente, eu tenho que contar a história exatamente como eu já queria contá-la. Eu realmente não tinha vontade de fazer tudo de novo, e o quadrinho sempre será o que é. Então é legal ver alguém entrar e ver quais elementos do que você fez ressoam com eles, e quais coisas novas eles podem trazer para isso também. É meio estimulante, de verdade.”

Ainda, sobre o que Jeff falou acerca de reformular elementos e trazer novidades para a história, não podemos deixar de notar o quanto Sweet Tooth do streaming se assemelha, assim como se distância, das HQs em que se inspira. Pois no material original, Lemire trata de temas como a natureza humana e as conexões que podemos tecer, ao mesmo tempo em que transporta os leitores para um mundo obscuro, sujo e perigoso.

Todavia, nesta nova versão de 8 episódios, vemos uma abordagem mais suavizada destes temas. Mas não confundam o termo “suavizar” com “desaproximar”, pois ainda assim, o seriado sucede em transmitir os meus ensinamentos e visões propostas por Jeff. E desta vez, em um formato mais abrangente.

Para entender um pouco melhor essa questão, vejam a seguir um trecho comentado por ele em entrevista para o Toronto Star.

Jeff Lemire

“Tento contar histórias sobre todos os aspectos da vida humana, e há coisas sombrias e ruins que acontecem todos os dias, mas também há coisas bonitas, felizes e engraçadas que acontecem”

“Sempre haverá escuridão, violência e coisas difíceis na história, mas eles são sempre um meio para contornar uma história sobre esperança ou retribuição ou união familiar… quando as coisas sombrias acontecem, eles estão lá para lançar uma luz mais brilhante sobre as coisas boas também.

“Sweet Tooth é uma visão muito diferente do apocalipse, onde é um retorno à natureza, um retorno à inocência da infância, e é uma história de esperança, união e encontrar uma família.”

A visão do idealizador de todo este universo fantástico, remete ao que muitos membros da nova produção disseram sobre o “norte” que buscavam seguir. Este elemento, seria a direção em que a história deveria ir. Com diferentes narrativas que demoram para se conectar, a série de Sweet Tooth não perde o seu centro de gravidade em nenhum momento. E este, é nada mais e nada menos do que o relacionamento entre Gus (Bico Doce) e Jepperd (o Grandão).

Gus – que teve o seu nome dado em homenagem ao próprio filho do autor – é um garoto inocente, espirituoso e valente. E que foi interpretado pelo jovem e talentoso Christian Convery.

Pessoalmente, esperamos ver muito mais de sua jornada. Mas, revelaremos detalhes sobre isso mais para a frente. Então, continue com a sua leitura e descubra muitas outras curiosidades.

+ Peaky Blinders | BBC anuncia o fim das gravações da 6ª e última temporada

Fatos interessantes sobre Sweet Tooth, série e HQ

Fatos interessantes sobre Sweet Tooth, série e HQ
Reprodução: Jeff Lemire e José Villarrubia

Um dos pontos em que a audiência percebe com maior clareza o uso de efeitos visuais, se dá pelos cenários. Também, não é difícil notar quando o set de filmagens se encontra em um lugar remoto ou em um estúdio. Nisso, Sweet Tooth se destaca por agradar aqueles fãs que valorizam um maior esforço e comprometimento por parte da produção.

Dizemos isso por conta do seriado ter sido rodado inteiramente na Nova Zelândia. Este país, que se tornou um ponto muito chamativo para gravações externas na natureza – muito disso devido à trilogia de O Senhor dos Anéis –, oferece ambientes deslumbrantes, que foram muito bem aproveitados em Sweet Tooth.

Em entrevistas para o Geek Network e o Young Entertainment, Christian Convery, o nosso adorado cervo-humano, revelou que boa parte das cenas não utilizaram fundos verdes e nem cenários fakes. Em especial, uma cena que ele se orgulha de ter feito ele mesmo, está no fim do 1º capítulo, onde o protagonista fica bem próximo da beirada de um morro alto.

Fatos interessantes sobre Sweet Tooth, série e HQ
Reprodução: Netflix

Um outro detalhe que o ator mirim revelou e que ressalta os esforços da produção, estão logo em seus pés. Afinal, os sapatos usados por Gus foram feitos a parir da borracha de pneus. O que é muito coerente com a história em si, onde o personagem e o seu pai se encontram isolados dos antigos luxos da sociedade.

Já um último fato que devemos ressaltar destas entrevistas, é que Christian realizou boa parte de suas cenas de ação. Para que um dublê, não é? O garoto teve até mesmo aulas de parkour. Sabendo disso, fica bem mais fácil reparar nas cambalhotas e outras ações que foram feitas pelo próprio intérprete do Bico Doce.

Ah, e falando do apelido dado ao Gus por Jepperd, no original o temos como “Sweet Tooth”, que dá título tanto para as HQs quanto para a série. Traduzido, o termo pode variar entre “Guloso”, “Formiguinha” e até mesmo a tradução literal “Dente Doce”. Porém, de forma criativa, o time de regionalização das legendas e o da dublagem, o definiram como “Bico Doce”.

Já o evento que avassalou a humanidade, trazendo uma pandemia e os temidos híbridos, é referenciado de diferentes formas. Nas HQs, ele é chamado de “O Flagelo”. Mas na série, temos ele como “The Great Crumble” (no idioma original), “O Grande Colapso” (nas legendas em português) e “O Grande Esfacelamento” (na dublagem brasileira).

Um último detalhe interessante sobre o seriado, está ligado aos efeitos práticos utilizados. Pois as próteses especiais utilizadas pelos intérpretes dos híbridos, eram controladas remotamente durante as cenas. Então, tanto Christian quanto outros, tiveram de entrar em sintonia com o “controlador de orelhas” da equipe, para entregarem uma performance muito mais convincente.

Ainda nisso, lembram daqueles bebês híbridos apresentados pelo narrador no 1º episódio? Bem, eles estavam todos lá, no set. Se tratavam de bonecos animatrônicos. Inclusive, essa técnica voltou a ter utilizada com o personagem Bobby, controlado pelo marionetista Grant Lehmann.

Agora, vamos voltar nossos olhos curiosos para as páginas dos quadrinhos. Primeiramente, é interessante apresentar os traços marcantes de Jeff Lemire, que nos entregam um visual bem diferente deste mundo e, principalmente, do nosso protagonista. Vejamos alguns exemplos:

Sobre as diferenças estéticas entre uma obra e outra, é interessante analisar um vídeo publicado pelas contas oficiais do seriado. Como é possível ver no post abaixo, Jeff Lemire e José Villarrubia juntaram forças para reimaginar o elenco de Sweet Tooth da Netflix, aos moldes das páginas dos quadrinhos.

pic.twitter.com/2iKUzn0UOG

— Sweet Tooth (@SweetTooth) May 28, 2021

Por último, podemos citar que Jeff Lemire retornou para a DC Comics, desta vez pelo selo Black Label, para realizar um revival de Sweet Tooth. Em uma minissérie de 6 edições lançadas entre novembro de 2020 e abril de 2021.

Ela é chamada Sweet Tooth: The Return e traz uma reimaginação do universo da série inicial. Para saberem mais sobre, fiquem com as capas oficiais de cada uma das edições e a sinopse desta nova história.

+ Marvel Studios | Guia definitivo de lançamentos da Fase 4 do MCU

Sinopse

“Era uma vez um menino chamado Gus. Ele tinha chifres e vivia com o pai em uma pequena cabana na floresta.  Então seu pai morreu, e o homenzarrão de olhos frios levou Gus embora. Gus passou por muitas grandes aventuras, encontrou amigos, amor, felicidade, família e aceitação.

Agora, anos depois… começa de novo. Um menino com chifres e características de veado acorda em um mundo bizarro e completamente estranho, onde os últimos humanos lutam para sobreviver. Dizem ao menino que ele é especial, que foi escolhido e que só ele pode conduzi-los de volta a um mundo dominado pelos opressores híbridos.”

Quando a Netflix irá lançar a segunda temporada de Sweet Tooth

Quando a Netflix irá lançar a segunda temporada de Sweet Tooth
Reprodução: Netflix

Se você chegou até aqui, você provavelmente assistiu aos primeiros capítulos da trajetória de Gus dentro da Netflix. E, provavelmente, está na expectativa por uma nova temporada, onde as questões que foram deixadas pendentes sejam resolvidas.

Infelizmente, por enquanto não tivemos um anúncio oficial por parte da plataforma. Mas, uma renovação é mais do que inevitável. Por quê? Simplesmente porque Sweet Tooth tem sido um sucesso sem precedentes em diversos países ao redor do mundo, inclusive, aqui no Brasil.

Apesar de O Legado de Júpiter – outro seriado do streaming baseado em HQs – ter sido cancelada recentemente, outras séries de fantasia tem sido renovadas pela Netflix. Ótimos exemplos são Ragnarok, que estreou recentemente uma 2 ª temporada, e Sombra e Ossos, que acabou de receber o sinal verde para continuar em mais um ano.

Algum Grisha por aí? Sombra e Ossos está oficialmente renovada para a 2ª temporada. ☀️ pic.twitter.com/Cr7x5WjJTm

— netflixbrasil (@NetflixBrasil) June 7, 2021

Além disso, outro ponto que reforça as fortes possibilidades da série ser aprovada para uma continuação, é pela sua semelhança com Stranger Things. O seriado dos irmãos Duffer, tem se mostrado uma fórmula de sucesso por vários motivos. Um deles é o crescimento e amadurecimento do elenco e personagens.

O mesmo deve ocorrer com Gus e companhia. Então fiquem tranquilos, pois a possibilidade de uma 2ª temporada não é uma dúvida que devemos ter. Já em questão da sua estreia, especulamos que ela não deve vir antes do segundo semestre de 2022.

Para ficar por dentro de quaisquer novidades sobre Sweet Tooth, não deixe de sintonizar mais vezes por aqui, no Sanatório Geek, a sua melhor fonte de informações do universo nerd e da cultura pop!

Veja também: Liga da Justiça | Warner Bros. não havia entendido as ideias de Zack Snyder para o Flash e o DCEU

Share.

Olá leitor! Me chamo Guilherme e tenho que admitir que sou fanático pelo universo Geek e cultura pop. Me considero eclético nos meus gostos e busco demonstrar a minha paixão por meio da escrita.

Leave A Reply